O Nome da Rosa – Milo Manara

Um frade franciscano, Guilherme de Baskerville e seu discípulo, Adso de Melk. A trama se passa em um mosteiro beneditino, na Itália medieval, onde Guilherme é chamado para investigar a misteriosa morte de um dos monges que lá mora, Adelmo de Otranto, cujo corpo é encontrado aos pé da muralha que circunda o mosteiro. No entanto, a morte de Adelmo é apenas a primeira de uma sequência de sete mortes, que ocorrem em sete dias consecutivos. A causa de todo este infortúnio é desconhecida, mas, conforme a história se desenvolve, todos os acontecimentos parecem estar ligados a um dos lugares mais misteriosos do mosteiro, a biblioteca. Milo Manara adapta o romance de mesmo nome escrito por Umberto Eco.

Milo Manara, mestre dos quadrinhos clássicos contemporâneos, assina a adaptação cômica da obra-prima de Umberto Eco. Uma obra preciosa que coloca no papel três estilos gráficos distintos que se cruzam em busca da perfeição visual. Cada um conta um aspecto do livro de Eco: as esculturas, os relevos dos portais e as marginalias maravilhosas e surreais que acompanham os livros iluminados da biblioteca; Bildungsroman de Adso, com a descoberta da sensualidade e da Mulher; a história histórica dos Dolciniani, cujos temas da pobreza dos últimos, da não homogeneização, da diversidade perseguida e da dissidência são cruciais ainda hoje. “O Nome da Rosa” de Manara encontra assim o seu lugar na operação literária “Matryoshka” do livro de Eco, que é também um livro sobre livros, que contém outros livros: não uma transcrição supérflua, mas um brilho visual maravilhoso.

Deixe um comentário